Partido Socialista
Coluna de navegação
Forum: s.m. (Do lat. Forum).
1. Praça pública, na Antiga Roma, onde se realizavam os mercados, se efectuavam assembleias populares ou se reuniam os magistrados para julgamento de causas.
2. Foro - Local onde se debatem assuntos de ordem pública, em especial questões judiciais.
3. Foro - Centro de múltiplas actividades.
4. Foro - Debate de especialistas sobre determinada matéria.
COLÓQUIO, FORO. - Um forum sobre educação.
PL. foruns.

In Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa.
Lisboa: Ed. Verbo, 2001. 1º vol p. 802
Contactos

Home Page

@Mail: Geral

Luís Rios Coelho [ LRC ]
Ana Patrícia Lamy [ APL ]
António Serge Campinos [ ASC ]

Arquivos

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Julho 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Maio 2008

Junho 2008

Setembro 2008

Novembro 2008

<< current



Lisboa Campo de Ourique
Internet

WebSites:

Partido Socialista
Juventude Socialista
FAUL
PS/Lisboa
Forum Cidade
PS - Parlamento Europeu
Internacional Socialista
Grupo Parlamentar
Acção Socialista
Candidatura Miguel Coelho 08


Blogs: SUSPEITIX

<- A ->
Abjurado
Arrastão

<- B ->
Bichos Carpinteiros
Bloguí­tica
Bonfim

<- C ->
Canhoto
Causa Nossa
Congeminações
Cruz Quebrada e Dafundo City

<- D ->
Descrédito
Desenvolvimento Sustentável

<- E ->
Estaleiro

<- F ->
Forum Cidade
Forum Cidadania
Forum Comunitário

<- G ->
Glória Fácil

<- H ->
Hoje há conquilhas

<- I ->
IVG - PELO SIM

<- J ->
João Soares
O Jumento

<- L ->
Linha de Conta
Lisboa desgovernada, mas não abandonada
Lisboa Lisboa
Lisboa, quem te viu e quem te vê
A Lei do Funil

<- M ->
Memória Virtual

<- N ->
Notí­cias breves PS Santarém

<- P ->
PS Belém
PS Estremoz
PS Lumiar

<- R ->
Respirar o Mesmo Ar

<- S ->
Sobre o Tempo que Passa
SOS Cinema Europa
SUSPEITIX

<- T ->
Tugir em português


Legislativas 2005
BASES PROGRAMÁTICAS (PDF)

Europeias 2004

Contador (site) Blogger Dicionario


Comunicação Social
Nacional
Jornais
Açoriano Oriental
A Bola
A Capital
Comércio do Porto
Correio da Manhã
Diário dos Açores
Diário Digital
Diário Económico
Diário de Notí­cias
Diário de Notí­cias da Madeira
Expresso
Fábrica de Conteúdos
O Independente
O Jogo
Jornal do Fundão
Jornal de Notí­cias
Lusa
O Primeiro de Janeiro
O Público
Record
RTP
Sábado
Sapo XL (ver SIC directo)
SIC
TSF
TVI
Visão

Estrangeira
Jornais
CNN
Le Figaro
Google News
Le Monde
El Mundo
The New York Times
El Pais
Reuters
Time
The Times
USA Today
Veja


Outras ligações

Comunicação de 2005-03-12
(Posse XVII Governo)
Jorge Sampaio
Forum Campo de Ourique
Blog de socialistas de Campo de Ourique
quinta-feira, março 29, 2007  
[0.064/2007]
NOVO REGIME DE PROTECÇÃO NO DESEMPREGO

Os eleitos do Partido Socialista na Junta de Freguesia de Santo Condestável organizam hoje pelas 21.30hrs, no Auditório do edifíco da Junta, uma sessão de esclarecimento à população sobre o Protocolo do IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional) e a Freguesia, bem como sobre o Novo Regime de Protecção no Desemprego que contará com a presença do Vice-Presidente do IEFP, Dr. Alexandre Rosa, para além do Presidente da Junta de Freguesia, Engº Luís Graça Gonçalves.
Os membros do PS do executivo da Junta, Pedro Cegonho e Marco António Martins. agradecem a presença de todos neste evento, que esperam que possa ajudar a esclarecer todas e quaisquer dúvidas sobre aquele tema.
A não peder!
29.3.07 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


terça-feira, março 20, 2007  
[0.063/2007]
DEBATE SOBRE LISBOA

O CHRIS (Centro de História Contemporânea e Relações Internacionais) e a rádio Europa Lisboa 90.4FM, têm vindo a realizar uma série de Conferências – debates, subordinadas ao tema "Os problemas de Lisboa".
Estes debates são dirigidos por Pedro Quartin Graça, Professor Universitário e Deputado à Assembleia da República.
Na próxima 5ª feira, 22 de Março de 2007, pelas 21.30 Horas, no Café Nicola, o convidado para discutir e analisar "Os problemas de Lisboa" é o Deputado Miguel Coelho, Presidente do PS-Lisboa.
Venha participar e discutir os problemas da nossa cidade. Fica convidado para um café no Nicola!
20.3.07 . - . Página inicial . - . 1 Comentários


segunda-feira, março 19, 2007  
[0.062/2007]
GRUPOS TEMÁTICOS DO FÓRUM CIDADE

Os grupos temáticos do Fórum Cidade iniciam esta semana a sua actividade.
A Concelhia de Lisboa chama a atenção de todos, militantes do PS ou meros simpatizantes, para a importância e objectivos que a Associação Fórum Cidade tem como fórum privilegiado de discussão e preparação das bases programáticas de uma alternativa séria e credível para a cidade de Lisboa.

GRUPOS TEMÁTICOS - CALENDÁRIO DAS REUNIÕES


1.º Grupo - Gestão da cidade (Urbanismo e Requalificação; Mobilidade; Habitação; Reforma Administrativa; Revisão do PDM)
Dinamizadores: Arq. Pedro Costa, Arq. Paulo Pais
Próxima reunião: 20 Março de 2007 (3ª feira), 21 Horas
Local: Gabinete do PS na Assembleia Municipal de Lisboa
Av. Roma, n.º 14 P (3º Andar) 1200 – 265 Lisboa

2.º Grupo - Lisboa na economia do conhecimento: Um ambiente urbano para a inovação
Dinamizadores: Dra. Teresa Damásio, Dr. João Paulo Matos
Próxima reunião: 19 Março de 2007 (2ª feira), 19 Horas
Local: Gabinete do PS na Assembleia Municipal de Lisboa
Av. Roma, n.º 14 P (3º Andar) 1200 – 265 Lisboa


3.º Grupo - Cidade inclusiva (Migrações; igualdade de oportunidades)
Dinamizadores: Dra. Odete Farrajota, Dra. Celeste Correia
Próxima reunião: 22 Março de 2007 (5ª feira), 21 Horas
Local: Gabinete do PS na Assembleia Municipal de Lisboa
Av. Roma, n.º 14 P (3º Andar) 1200 – 265 Lisboa


4.º Grupo - Projecto cultural para a cidade
Dinamizadores: Dra. Clara Pinto, Dra. Anabela Pires
Próxima reunião: 23 Março de 2007 (6ª feira), 19 Horas
Local: Gabinete do PS na Assembleia Municipal de Lisboa
Av. Roma, n.º 14 P (3º Andar) 1200 – 265 Lisboa


5.º Grupo - Politica desportiva e o associativismo
Dinamizador: Dr. Manuel Brito
Próxima reunião: 28 Março de 2007 (4ª feira), 21 Horas
Local: Gabinete do PS na Assembleia Municipal de Lisboa
Av. Roma, n.º 14 P (3º Andar) 1200 – 265 Lisboa

As inscrições para paricipar em qualquer um destes grupos temáticos pode ser enviada para o mail
forumcidade@gmail.com.

19.3.07 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


domingo, março 18, 2007  
[0.061/2007]
SÓCRATES FAZ BALANÇO DE 2 ANOS DE GOVERNO

José Sócrates assegurou ontem que o défice relativo a 2006 ficará abaixo das previsões de 4,6 por cento do Governo, mas recusou que a folga orçamental possa servir para baixar já os impostos. No dia em que faz o balanço de dois anos de governação, o primeiro-ministro deixou garantias que Portugal vai obter "bons resultados na redução do défice e da despesa pública".
Sócrates, que falava na abertura do Fórum Novas Fronteiras, no Centro de Congressos de Lisboa, perante cerca de mil simpatizantes do PS e alguns dos ministros do seu Executivo, sublinhou que "os dados disponíveis, e ainda provisórios”, já permitem “saber que este ano o défice ficará abaixo da previsão do Governo".
Segundo o semanário “Expresso”, o Governo tem já dados disponíveis que lhe permitem acreditar que o défice de 2006 ficará nos 4,1 por cento, 0,5 por cento abaixo das previsões do Executivo. Questionado sobre este valor de 4,1 por cento, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, presente no fórum, recusou-se para já a confirmá-lo, adiantando que os dados do Instituto Nacional de Estatística apenas serão divulgados no final deste mês.
Ainda na sua intervenção, o primeiro-ministro reiterou a sua recusa em descer os impostos e criticou duramente o presidente do PSD, Marques Mendes, por apresentar uma proposta neste sentido.
"Os resultados [da economia em 2006] são bons, é verdade, mas nós estamos apenas a meio do caminho da consolidação orçamental. Que ninguém tenha a mínima dúvida: nós vamos levar este processo de consolidação orçamental até ao fim, reduzindo o défice e a despesa pública e fazendo as reformas estruturais que são indispensáveis", assegurou.
Sócrates considera "extraordinário" que Marques Mendes, "estando o país a meio da sua consolidação orçamental e permanecendo ainda em défice excessivo perante a União Europeia venha agora propor, com total leviandade, uma baixa dos impostos".
"Nós não vamos deitar por terra o que os portugueses já conseguiram. O resultado do esforço dos portugueses não pode uma vez mais ser posto em causa pela irresponsabilidade e pelo oportunismo de uma proposta de descida dos impostos que se destina apenas a falar para as sondagens, a tentar ganhar popularidade fácil e a resolver os problemas de afirmação de liderança política", contrapôs.
Segundo o também secretário-geral do PS, uma descida imediata de impostos, "para além de absolutamente irresponsável, é também pouco séria".
"Viola frontalmente os nosso compromissos europeus e compromete todo o trabalho de recuperação da credibilidade externa da nossa economia. Mas essa proposta de descida de impostos é também pouco séria porque provém da área política que nos deixou o problema que agora estamos a resolver", reagiu.
Sócrates frisou depois que, em matéria de consolidação orçamental, "não há atalhos". "Bons resultados não significam folga. Bons resultados significam que estamos apenas a andar mais depressa e que podemos chegar mais cedo ao fim do caminho", disse, ainda justificando a razão que leva o Executivo a recusar uma descida de impostos.
Antes da questão do défice do ano passado, Sócrates abriu o Fórum Novas Fronteiras com o balanço dos dois anos de governação PS, um partido que ficará na história como aquele que “lutou e conseguiu pôr mais mulheres no Parlamento e nas autarquias locais" e que “deu o passo decisivo para vencer tabus e fazer a ciência avançar na procriação medicamente assistida”.
O PS será ainda lembrado, segundo Sócrates, como a formação que “propôs e liderou uma lei da interrupção voluntária da gravidez capaz de combater o aborto clandestino e de lutar pela dignidade das mulheres em Portugal".
"Há para aí quem esteja sempre a falar de esquerda e disponível para dar lições sobre esquerda a esta maioria. Pois eu não me lembro de um Governo e de uma maioria em Portugal, que, em dois anos, deixasse marcas tão profundas e tão perenes dos valores do centro esquerda", reforçou.
Na sua intervenção, o secretário-geral do PS sublinhou ainda que o Governo, apesar de apoiado por uma maioria absoluta no Parlamento, fez cinco acordos de concertação social, envolvendo matérias como a contratação colectiva, o subsídio de desemprego, segurança social, salário mínimo e formação profissional.
"Em 30 anos de democracia, nunca um Governo conseguiu cinco acordos com os parceiros sociais em dois anos. Nada mau para um Governo com maioria absoluta que está sempre a ser acusado de não valorizar o diálogo social", comentou.
Segundo José Sócrates, o seu primeiro dever como primeiro-ministro foi "devolver a credibilidade à governação e o sentido de Estado à condução da instituições políticas".
"Ao fim de dois anos podemos afirmar com segurança que os portugueses têm hoje um Governo que está cem por cento concentrado no seu trabalho e a fazer um esforço sério para superar as dificuldades do país", concluiu.

In Lusa/Público


18.3.07 . - . Página inicial . - . 1 Comentários


segunda-feira, março 12, 2007  
[0.060/2007]
12.3.07 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


quinta-feira, março 08, 2007  
[0.059/2007]
PROMETEMOS...E CUMPRIMOS

A nova lei, que despenaliza a Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) foi aprovada hoje, dia Internacional da Mulher, pelo PS com os votos favoráveis do PCP, BE, Verdes e de 21 deputados do PSD.
As três deputadas independentes da bancada socialista, Teresa Venda, Maria do Rosário Carneiro e Matilde Sousa Franco votaram contra.
A lei antiga de 23 anos foi assim substituida por um projecto de lei conjunto do PS e da oposição de esquerda que despenaliza o aborto realizado por opção da mulher nas primeiras dez semanas de gravidez. A mulher será obrigada a ir a uma consulta, em que lhe é dada toda a informação necessária sobre as condições da realização do aborto, as suas consequências e os apoios do Estado à prossecução da gravidez. De seguida, a mulher terá de se submeter a um «período de reflexão não inferior a três dias».Os estabelecimentos de saúde estão também obrigados a disponibilizar à mulher que deseje interromper a gravidez acompanhamento psicológico e por assistente social.
O Presidente da República terá 20 dias para vetar ou promulgar a nova lei do aborto, após receber o diploma. Contudo, ainda pode enviá-lo primeiramente para o Tribunal Constitucional no prazo máximo de oito dias.
8.3.07 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


sábado, março 03, 2007  
[0.058/2007]
Lisboa_Cidade Criativ@

Na minha recente estadia em Washington tive a oportunidade de falar com o reputado investigador Richard Florida, da George Mason University. As geniais teorias de Forida sobre o desenvolvimento económico regional estão a deixar perplexos (e algo irritados também!) os mais conservadores dos economistas. Desde há muito que os estudiosos das cidades e do desenvolvimento regional procuram compreender como se podem atrair as grandes empresas a nível mundial e com isso gerar riqueza e emprego, ou seja, como criar cidades que prosperem económica e socialmente.

As teorias de Florida sobre aquilo que designa de “classe criativa”, vêm porém trazer uma visão radicalmente diferente sobre o desenvolvimento regional nos dias de hoje. E deixam uma mensagem clara para as cidades e regiões que se querem afirmar no mundo globalizado do século XXI.
Os seus estudos mostram que, ao contrário do que os economistas mais clássicos sempre sustentaram sobre a atracção de investimento para o desenvolvimento, o segredo para o crescimento económico não são as empresas que se vêm estabelecer nas cidades, mas antes as pessoas que aí se fixam.
Se anteriormente eram as pessoas que se mobilizavam para onde existia emprego (e nós que o digamos com os nossos emigrantes para a França, a Alemanha e muitos outros destinos), assiste-se hoje ironicamente à deslocalização de grandes e valiosas empresas para cidades e regiões onde podem encontrar pessoas criativas e inovadoras. E exemplos não faltam: empresas como a Yahoo, a Google e a eBay, empresas altamente geradoras de riqueza, correm atrás de cidades como Boston, Massachussets, Seatle e muitas outras, onde podem encontrar os profissionais mais criativos, inovadores e, consequentemente, geradores de riqueza. Hoje, é a indústria que vai atrás do capital humano e não o contrário!
A mensagem dos apoiantes deste novo paradigma é clara: as cidades que querem vingar no século XXI não se devem preocupar tanto com a atracção de grandes empresas (porventura geradoras de trabalho pouco qualificado), mas antes de atrair pessoas com elevado capital criativo, a classe criativa. Esses sim, serão o factor-chave do progresso e do desenvolvimento económico.

É pois, este, um dos maiores desafios que se colocam à cidade de Lisboa e à região que representa. Para sobreviver, como cidade cosmopolita, desenvolvida e empreendedora no século XXI, Lisboa tem de ser capaz de atrair os talentos que constituem a classe criativa. E concorrência não falta, a começar por cidades como Berlim, Amsterdão ou Barcelona...
Torna-se por isso fundamental compreender o que procuram esses trabalhadores criativos da era do conhecimento. E mais uma vez, as respostas começaram a surgir nos estudos pioneiros de Richard Florida sobre geografia económica. A sua investigação tem demonstrado que estas pessoas criativas preferem optar por viver em locais inovadores, diversificados e tolerantes.
Em sucessivos estudos onde Florida utilizou índices tão excêntricos e controversos como o “índice de bohémia” (que sintetiza o número de trabalhadores criativos como os artistas, cientistas e outros), ou o “índice de talento” (que corresponde à percentagem de pessoas com licenciatura ou acima), ou mesmo o “indicador gay” (que corresponde ao número de homossexuais assumidos numa dada comunidade), os resultados mostram de forma consistente que as cidades mais tolerantes e que conseguem atrair pessoas mais diversificadas (i.e., de origens, costumes e tradições muito diferentes) são aquelas que mais conseguem inovar e gerar riqueza nas sociedades ocidentais. É nestas cidades que a inovação emerge e se traduz numa mais valia estratégica, e talvez tenha sido por isso que Lisboa foi na época dos Descobrimentos, uma cidade próspera e cheia das variedades que chegavam de “outros mundos”.
As implicações desta nova realidade para as políticas municipais são inúmeras. Lisboa pode e deve voltar a estar no centro do mundo, a ser uma cidade cosmopolita e capaz de atrair os recursos humanos mais criativos e capazes de gerar riqueza para a região e para o país. Fomos capazes de o fazer no passado e temos de o ser também no presente.
As potenciais medidas concretas são muitas: criar habitação a baixos custos para jovens de outros países e Universidades; fomentar e apoiar estágios de pessoas provindas de todos os cantos do mundo; agilizar e baixar os custos de transporte do exterior para a cidade, incluindo aeroportos, zonas portuárias e ferrovias, etc, etc...
Enfim, as medidas são virtualmente ilimitadas.
A visão é uma só: Lisboa--Cidade Criativa!

Miguel Pereira Lopes
Professor Universitário
Ex-Director do Jovem Socialista
3.3.07 . - . Página inicial . - . 2 Comentários


 
[0.057/2007]
ELEIÇÕES EM LISBOA SÓ EM 2008

...não me parece correcto que vá para uma presidência portuguesa da União Europeia com eleições em Lisboa. Teria de ser depois. Não de vejo outra forma. Fazê-las durante a presidência era mau para a imagem de Portugal.

Joaquim Raposo, Presidente da FAUL
in SOL de hoje
3.3.07 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


quinta-feira, março 01, 2007  
[0.056/2007]
A DANÇA DAS CADEIRAS

Sobre o que aconteceu ontem no início da reunião pública da CML, gostei hoje de ler isto:

....quero apresentar desculpas aos lisboetas e em especial aos socialistas pelo sucedido e esclarecer que este assunto está encerrado e não voltará a repetir-se....

António Dias Baptista no Blog "Lisboa desgovernada, mas não abandonada"

1.3.07 . - . Página inicial . - . 3 Comentários


 
[0.055/2007]
O CASO GEBALIS

Começa-se agora a perceber que a "encomenda" tinha mesmo destinatário certo.
O que não se compreende são as afirmações que eles fazem sobre este assunto. Ontem, na reunião pública da Câmara de Lisboa foi um fartote.
Quando o Presidente da Comissão criada pelo Vereador Lipari para elaborar o relatório vem dizer à comunicação social que "ficou chocado com a situação que encontrou na empresa e com a sensação de que se houvesse mais rigor nas empresas municipais teríamos de suportar uma carga fiscal inferior" está-nos a querer dizer, certamente, que aquilo tem sido mal administrado. E, pergunto eu, por quem?
Claro que este militante laranja, que até foi assessor de Marques Mendes entre 2002 e 2004, não é nenhum ingénuo na política e sabe perfeitamente que desde 2001 que este empresa municipal (e todas as outras) tem sido gerida e administrada pelos seus correlegionários (o próprio actual vereador que a tutela e que lhe encomendou o relatório foi seu director-geral).
Mostra-se chocado com a administração pouco rigorosa deles? É provável que tenha razão, mas então deve-lhes dizer isso muito claramente. A propósito, analise com eles qual tem sido a evolução do preço do saco de cimento, o tal produto que está na acusação. O cimento, quem diria.
E, já agora, diga-nos quanto é que essa Comissão vai receber da Câmara por ter elaborado este relatório que, pelos vistos, também enferma de falta de rigôr.

LRC
1.3.07 . - . Página inicial . - . 1 Comentários


This page is powered by Blogger.