Partido Socialista
Coluna de navegação
Forum: s.m. (Do lat. Forum).
1. Praça pública, na Antiga Roma, onde se realizavam os mercados, se efectuavam assembleias populares ou se reuniam os magistrados para julgamento de causas.
2. Foro - Local onde se debatem assuntos de ordem pública, em especial questões judiciais.
3. Foro - Centro de múltiplas actividades.
4. Foro - Debate de especialistas sobre determinada matéria.
COLÓQUIO, FORO. - Um forum sobre educação.
PL. foruns.

In Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa.
Lisboa: Ed. Verbo, 2001. 1º vol p. 802
Contactos

Home Page

@Mail: Geral

Luís Rios Coelho [ LRC ]
Ana Patrícia Lamy [ APL ]
António Serge Campinos [ ASC ]

Arquivos

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Julho 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Maio 2008

Junho 2008

Setembro 2008

Novembro 2008

<< current



Lisboa Campo de Ourique
Internet

WebSites:

Partido Socialista
Juventude Socialista
FAUL
PS/Lisboa
Forum Cidade
PS - Parlamento Europeu
Internacional Socialista
Grupo Parlamentar
Acção Socialista
Candidatura Miguel Coelho 08


Blogs: SUSPEITIX

<- A ->
Abjurado
Arrastão

<- B ->
Bichos Carpinteiros
Bloguí­tica
Bonfim

<- C ->
Canhoto
Causa Nossa
Congeminações
Cruz Quebrada e Dafundo City

<- D ->
Descrédito
Desenvolvimento Sustentável

<- E ->
Estaleiro

<- F ->
Forum Cidade
Forum Cidadania
Forum Comunitário

<- G ->
Glória Fácil

<- H ->
Hoje há conquilhas

<- I ->
IVG - PELO SIM

<- J ->
João Soares
O Jumento

<- L ->
Linha de Conta
Lisboa desgovernada, mas não abandonada
Lisboa Lisboa
Lisboa, quem te viu e quem te vê
A Lei do Funil

<- M ->
Memória Virtual

<- N ->
Notí­cias breves PS Santarém

<- P ->
PS Belém
PS Estremoz
PS Lumiar

<- R ->
Respirar o Mesmo Ar

<- S ->
Sobre o Tempo que Passa
SOS Cinema Europa
SUSPEITIX

<- T ->
Tugir em português


Legislativas 2005
BASES PROGRAMÁTICAS (PDF)

Europeias 2004

Contador (site) Blogger Dicionario


Comunicação Social
Nacional
Jornais
Açoriano Oriental
A Bola
A Capital
Comércio do Porto
Correio da Manhã
Diário dos Açores
Diário Digital
Diário Económico
Diário de Notí­cias
Diário de Notí­cias da Madeira
Expresso
Fábrica de Conteúdos
O Independente
O Jogo
Jornal do Fundão
Jornal de Notí­cias
Lusa
O Primeiro de Janeiro
O Público
Record
RTP
Sábado
Sapo XL (ver SIC directo)
SIC
TSF
TVI
Visão

Estrangeira
Jornais
CNN
Le Figaro
Google News
Le Monde
El Mundo
The New York Times
El Pais
Reuters
Time
The Times
USA Today
Veja


Outras ligações

Comunicação de 2005-03-12
(Posse XVII Governo)
Jorge Sampaio
Forum Campo de Ourique
Blog de socialistas de Campo de Ourique
terça-feira, setembro 30, 2008  
[0.018/2008]
Crónica Feminina por Inês Pedrosa

Sem honra nem vergonha

Como sobreviverão os políticos honrados aos ataques insidiosos dos corruptos?
A tentativa de assassinato de carácter de que foi alvo Ana Sara Brito é um exemplo-limite do lamaçal em que se tem vindo a tornar a política portuguesa. A actual vereadora da Acção Social e Habitação da Câmara Municipal de Lisboa é uma mulher a quem tanto os amigos como os adversários políticos reconhecem, desde sempre - e este sempre é longo, porque Ana Sara tem prestado serviço à população de Lisboa desde o tempo em que era presidente Nuno Krus Abecassis - duas qualidades absolutas: eficiência e honestidade.
A reunião dessas duas qualidades criou-lhe, aliás, inimizades mais ou menos surdas, dentro do seu próprio partido:leal aos seus princípios e valores, Ana Sara nunca temeu ir contra as vozes dominantes, e contrapôr o seu pensamento ao dos chefes, dentro do Partido que elegeu como seu ( e que nunca abandonou). Assim, por exemplo, ergueu a sua voz contra o então Primeiro-Ministro António Guterres, quando este impôs um referendo, depois da lei da interrupção da gravidez ter sido aprovada na Assembleia da República. Nas últimas presidenciais, apoiou a candidatura de Manuel Alegre, cujo sucesso, é justo que se recorde, muito ficou a dever ao seu trabalho - foi ela a coordenadora nacional da campanha. Nunca trocou os seus valores por benesses, nunca serviu a dois senhores em simultâneo, e nunca entrou em negociatas de espécie alguma - antes as denunciou e denuncia, em sede própria.
O cargo que hoje ocupa na CML advém do reconhecimento (tardio, digo eu) dos seus múltiplos talentos e virtudes - às quais não posso deixar de acrescentar a da isenção - por parte dos líderesdo seu partido. Assumiu este cargo numa época difícil, e com sacrifício pessoal, quando podia estar tranquilamente a gozar a sua reforma, depois de quarenta e seis anos de trabalho, não só a favor da cidade (como autarca), como a favor da população portuguesa ( exerceu durante anos a profissão de enfermeira, na área da saúde mental, e trabalhou com Maria de Belém no Ministério da Saúde). Não tinha falta de ocupação, já que faz parte de várias associações de defesa de direitos cívicos, e não assume compromissos de boca. Num país onde pululam os apoiantes teóricos de causas - aqueles que dizem: «faz, que eu assino» - Ana Sara sobressai pela dedicação, pelo empenhamento e pela coragem.
Mas, em Portugal, a honestidade, a isenção e a frontalidade pagam-se caro. Porque incomodam muita gente. Incomodam aqueles que estão habituados a uma vida de negociatas turvas, trocas de favores e abusos de poder. É natural que os incomode, porque Ana Sara não só não colabora com esses esquemas, como não lhes fecha os olhos. Ao assumir funções, entregou à Polícia Judiciária todos os documentos controversos que encontrou.Como António Costa explicou na conferência de imprensa que realizou, ao lado de Ana Sara Brito, na passada segunda-feira, a Polícia Judiciária tem estado a trabalhar nas instalações da CML, para escrutinar tudo, com total apoio dos serviços camarários. Assim, no preciso momento em que os processos menos claros das anteriores gestões camarárias começam a ser levantados pela Justiça, e os nomes dos arguidos, reais ou potenciais, começam a saltar para os jornais, surge uma campanha de ataque, nebulosa e nevoenta, misturando alhos com bugalhos e envolvendo várias figuras da actual gestão municipal - entre as quais Ana Sara Brito, acusada de, há vinte e um anos, ter abarbatado para si uma casa da Câmara. A acusação, como ela mesma explicou, na passada segunda-feira, é falsa.
O aparecimento desta campanha contra a Vereadora da Habitação coincide também com o anúncio, feito por ela, de um plano de realojamento com novas regras - justas e estritas, sem qualquer margem discricionária. São coincidências a mais. Quem manipulou alguma comunicação social contra Ana Sara Brito? A quem aproveitam estas mistificações? Aos que têm contas a prestar ao erário público dos portugueses. A técnica é antiga: já o burlão Alves dos Reis, quando se começou a sentir apertado, desatou a acusar a administração do Banco de Portugal. Dir-se-á que a verdade vem sempre à tona - mas todos sabemos que nem sempre é assim. Alguma vez saberemos a verdade sobre as décadas e décadas de abusos sobre menores na Casa Pia?~
Para mal dos que gostariam de ver em Lisboa uma Vereadora maleável, fraca, corruptível, Ana Sara não cede nem desanima. Mas quantas pessoas de bem não desistem, logo à partida, da política, por temerem os golpes baixos, as acusações sem fundamento ou a devassa da sua vida particular? Vamos repetindo, com desalento, que a política se tem vindo a tornar um território de mediocridade crescente. Se continuarmos a deixar que os medíocres procurem arrastar para a lama que é o seu habitat natural o nome e a imagem das pessoas honradas como Ana Sara Brito, acabaremos por ficar nas mãos da ditadura da mediocridade. Os medíocres formam máfias transversais ao espectro partidário, organizam-se para assaltar a riqueza nacional (ou o que dela resta, depois de séculos de corrupção e mediocridade). Mas não podem vencer os que trabalham honradamente a favor da coisa pública - sob pena de perdermos, em definitivo, a honra e a liberdade.
30.9.08 . - . Página inicial . - . 0 Comentários


This page is powered by Blogger.